Newsletter

Artigos

Inclusão e desenvolvimento impulsionados pelo cooperativismo
Inclusão foi o tema selecionado pelo Comitê de Promoção e Avanço das Cooperativas (Copac) para celebrar o Dia Internacional do Cooperativismo em 2017. Nada mais apropriado, já que a palavra não só capta o sentido estrutural das cooperativas, como também lembra os princípios cooperativos de adesão voluntária e livre, gestão democrática e participação econômica dos cooperados.
 
No caso das cooperativas financeiras, a inclusão se soma aos diferenciais como taxas menores de juros nas operações de crédito e atendimento humanizado e personalizado. O Sicoob desempenha esse papel tanto em grandes metrópoles quanto em áreas mais remotas do Brasil, representando um importante vetor de desenvolvimento das economias locais.
 
Nesse sentido, as instituições vinculadas ao Sicoob incluem as pessoas no centro do desenvolvimento ao oferecer alternativas mais rentáveis para a população que, muitas vezes, tem somente as cooperativas como opção de inclusão bancária. Estabelecido em todos os estados brasileiros, em 198 municípios, o Sicoob é a única instituição financeira à disposição da população.
 
O Sicoob, como o maior sistema de Cooperativas financeiras do Brasil, contribui para o desenvolvimento econômico desses cidadãos garantindo que ninguém fique para trás, movimentando e reciclando os recursos financeiros nas próprias comunidades onde vivem. Hoje, mais de 3,6 milhões de pessoas já contam com o amplo portfólio de produtos e serviços financeiros oferecidos pelas cooperativas em seus 2,5 mil pontos de atendimentos em todo o País. 
 
O valor desses empreendimentos se justifica porque, com as constantes mudanças do mundo, não é possível pensar em um mundo sustentável com desigualdade social. O acesso aos serviços e a busca por novos modelos de negócio tornaram-se parte de uma revolução na qual as cooperativas financeiras se destacam. Por não terem fins lucrativos, ainda que ofereçam produtos e serviços financeiros como as instituições financeiras tradicionais, os clientes são donos do negócio e os resultados são divididos.
 
Estes são alguns motivos que explicam o crescimento do Sicoob: nos últimos sete anos, em ativos totais, o Sicoob aumentou 219%, saindo de R$ 23,9 bilhões em 2010 para R$ 78,2 bilhões em 2016. O patrimônio líquido atingiu R$ 16,4 bilhões em 2016 ante R$ 6,1 bilhões em 2010, um salto de 169%. As operações de crédito e os depósitos totais também ascenderam significativamente.
 
Voltando à inclusão, no atual cenário de mudanças onde os clientes estão no foco das empresas, as instituições financeiras cooperativas se destacam no contexto da economia colaborativa. E esse conceito veio para ficar, uma vez que tem como diferencial empoderar cidadãos comuns e permitir que suas habilidades sejam valorizadas sem deixar de contribuir com o ambiente e sociedade em que eles estão inseridos.
 
À medida em que mais brasileiros se envolvem com esta nova lógica do compartilhamento, mais fica evidente este modelo de associação e o ciclo se retroalimenta, com o aumento do número de cooperados Ee, sob o foco da inclusão, mais do que nunca temos razões para acreditar que o nosso negócio muda o mundo.

Henrique Castilhano Vilares

Presidente do Sicoob Confederação