Newsletter
Artigos

Cooperativismo: O interesse da comunidade

Ao nos remetermos ao início do cooperativismo no mundo, ocorrido no 1844, no bairro de Rochdale, Manchester, Inglaterra, em que operários optaram pela forma associativa e coletiva de compras, para baratear os preços dos produtos, percebemos que esse ato representa a necessidade que o ser humano tem de viver e conviver em sociedade, auxiliando-se mutuamente.

Aqueles operários, bem como o cidadão do hoje possuem os mesmos objetivos da comunhão de ideias e costumes, para o bem comum e, cada vez mais, as sociedades tem procurado os seus iguais para compartilhar anseios, lutas e conquistas. Nesses mais de 170 anos de existência, cooperativismo evoluiu e conquistou um espaço próprio, definido por uma nova forma de pensar o homem, o trabalho e o desenvolvimento social.

Este conceito também é percebido no âmbito do cooperativismo habitacional, no qual as famílias percebem que o sonho te ter a casa própria muitas vezes está muito longe de ser realizado, por conta dos muitos obstáculos e burocracia dos sistemas financeiros governamentais e o intuito comercial dos empreendedores que, inevitavelmente visa o lucro, afastando as pessoas por conta dos altos preços cobrados pelos imóveis.

Importante ressaltar que a população está cada vez mais exigente por projetos sustentáveis, tanto do ponto de vista econômico, como social. Da mesma forma, está atenta à exploração comercial.

Por isso, está se tornando comum que as famílias optarem pelas cooperativas com princípios democráticos, em que os participantes são beneficiados e, assim, a realização do sonho passa a ser possível, de forma simples e segura.

Fernando Marcato

especialista em Cooperativismo Habitacional e presidente da Conex Habitacional