Newsletter
Notícias

Saúde Toda Hora aborda prevenção do suicídio

11/02/2019

A palestra aconteceu no dia 12 de dezembro no auditório do Espaço Sinta-se Bem, às 19h30, e teve a participação de cerca de 20 beneficiários e beneficiárias. Ministrada pela psicóloga Maria Luiza Moura Oliveira, a palestra abordou os sinais de suicídio e como ajudar uma pessoa nessas condições. 

Todos os dias cerca de 32 brasileiros tiram a própria vida. São 6 casos a cada 100 mil habitantes, o que significa 11 mil mortes a cada ano no Brasil e um milhão no mundo. A psicóloga alerta que é comum buscarmos grandes causas para uma pessoa tentar suicídio, mas nem sempre pode parecer grande para nós. “Cada um reage de uma forma diferente diante das coisas que acontecem em sua vida. Quem está passando por muita dor quer se livrar dela, não chamar a atenção. E nem sempre o motivo daquela dor seria o nosso motivo. Precisamos respeitar e ajudar”, conta. 

De acordo com a OMS, a cada pessoa que comete suicídio, outras 6 à sua volta são impactadas. No total, 17% dos brasileiros já tentaram se matar. E “60% dos que cometem suicídio nunca se consultaram com uma profissional da área de psicologia ou psiquiatria, e 90% das vezes as pessoas falam algo antes do suicídio. Eles dão sinais claros, avisam que não dão conta mais, pedem socorro de alguma forma. Nós temos que ficar atentos a esses sinais para poder evitar algo pior”, explica a médica. 

 

Elizângela Alves é técnica de enfermagem e foi ouvir a palestra, pois tem histórico de risco na família e quis se prevenir. “Eu inscrevi até meu namorado porque a gente passa isso com nossas famílias, mas ele não pôde vir. Eu acho muito importante ter essas discussões para evitar que aconteça”, conta a beneficiária. 

Maria Luiza explica que a melhor forma de ajudar alguém que apresenta sinais de que irá cometer suicídio é o apoio e a atenção. “Estar ali para a pessoa, dizer que a entende, que está com ela e que essa dor irá passar é a melhor atitude. A pessoa se sente segura e se apoia em você. Fale coisas boas e a oriente a buscar ajuda”, explica a médica. 

 

Gaspar dos Reis Nascimento passou por um momento complicado de ataque de ansiedade e pânico e procurou ajuda no Programa de Crônicos da Unimed Goiânia, obtendo apoio psicológico. “Foi muito importante para mim essa ajuda, e vir aqui na palestra hoje é um auxílio para entender a situação e poder pedir ajuda também”, explica. Sua esposa, Rosivânia Cristina Nascimento, o acompanhou para entender mais sobre essas questões e saber auxiliar quando preciso. “Minha mãe e também algumas tias têm quadro depressivo. É importante entender a situação, saber o que outro está passando para poder ajudá-lo da melhor maneira”, conta a beneficiária. 

 

 

Unimed Goiânia?